É difícil ter certeza se mais me diverti ou passei nervoso com Fall Guys: Ultimate Knockout. Não me leve a mal: todo round do jogo é absolutamente hilariante e recheado de momentos de tensão, adrenalina, camaradagem e até traição. Ainda assim, das dezenas de partidas que joguei desde o lançamento do game, no comecinho de agosto, boa parte delas quase terminou com um controle sendo jogado pela janela. E isso é ótimo.

Produzido pelo estúdio britânico Mediatonic e publicado pela Devolver Digital, Fall Guys é a mais recente febre multiplayer online dos games, e a prova de que o gênero battle royale – alçado à popularidade por PlayerUnknown's Battlegrounds e consolidado por Fortnite – ainda tem lenha para queimar e não está tão perto assim da tão falada saturação.

Do que a indústria nos acostumou a imaginar quando ouvimos “battle royale”, no entanto, Fall Guys tem só o básico: um jogo multiplayer caótico em que o jogador deve superar 59 rivais em uma sucessão de provas ao melhor estilo Olimpíadas do Faustão para ser coroado o grande vencedor.

Nada de personagens com habilidades especiais, nada de equipamentos raros que podem ser coletados durante a partida, e nem mesmo múltiplos modos de jogo. Fall Guys é o battle royale destilado à essência: um jogador e sua Jujuba customizada contra o mundo, cada jogador munido apenas de sua própria habilidade e da sempre bem-vinda dose de sorte.

É uma premissa simples – tão simples que tudo é explicado ao jogador em uma sequência de cinco slides apresentada na primeira vez em que o game é aberto –, mas viciante, e capaz de fisgar tanto jogadores casuais, quanto aqueles que levam competição à sério.

Mas vale ressaltar: o “simples” aqui, não é sinônimo de raso. Apesar de ter somente um modo de jogo, Fall Guys é capaz de garantir horas e horas de diversão para qualquer jogador, seja em uma sessão rápida de jogo para quem tem apenas alguns minutos livres, ou para aquele que está focado em só largar o controle após conquistar uma coroa.

Divulgação/Mediatonic

Com 25 mapas disponíveis no lançamento – e uma segunda temporada já confirmada com novos mapas de temática medieval –, o jogo mistura fases cooperativas com cenários “cada um por si”, e emprega um sistema de mapas rotativos que garante uma experiência diversa o suficiente para manter o jogador engajado – ainda que alguns dos mapas tenham um viés claro para aparecer mais frequentemente que outros.

O verdadeiro charme de Fall Guys, no entanto, fica por conta da força do imprevisível, o fato de que é impossível saber o que exatamente te espera ao entrar em um novo ciclo de rounds em busca da coroa. Não importa o quão hábil o jogador seja, ou quão sólidas são suas estratégias, Fall Guys é recheado de momentos surpreendentes e caóticos que fazem com que toda partida seja única.

Mesmo que todos os mapas de Fall Guys contenham algum truque ou estratégia que facilitem a vitória – você pode, inclusive, conferir algumas delas nesta lista –, sempre há a chance de uma jujuba aleatória cair na sua frente em Passo em Falso, acabando com sua alegria no meio do caminho, ou que você vá ser escalado para um time absolutamente incompetente no Futebol Atrapalhado e acabe reeditando uma edição do fatídico 7x1.

Estes são os momentos de frustração que vão testar sua paciência com Fall Guys, mas também são mais do que compensados por rounds brilhantes em que tudo dá certo – quando é você que acaba com o dia dos outros jogadores, cai no time vencedor do 7x1 e desliza para a vitória em busca da coroa.

Por si só, esse equilíbrio entre rounds frustrantes e momentos de glória – sempre embalados pela ótima trilha do jogo, que lembra bastante algumas das faixas energéticas da série Splatoon – já fariam de de Fall Guys uma experiência empolgante. A cereja no bolo, é claro, fica por conta da rica loja de itens cosméticos do título.

Desde o lançamento, a loja de skins e cosméticos lotada de itens diversos para a customização das jujubas, tem sido a principal isca para me manter engajado em busca de mais pontos ou coroas necessários para comprar novas roupinhas, animações e padrões de cor diferente para minha jujuba. Atravessar a linha de chegada dos mapas caótico do jogo é uma coisa. Atravessar com estilo é uma sensação completamente diferente.

A desenvolvedora também tomou a sábia decisão de permitir que itens lendários só possam ser adquiridos com coroas, o que limita os itens disposníveis para aquisição através de microtransações e estimula o jogador a voltar para mais e mais partidas em busca das vitórias necessárias para comprar as skins e animações mais raras do jogo. Isso faz das roupinhas lendárias mais do que uma simples customização, mas um sinal de orgulho do jogador das provas de fogo pelas quais passou para vestir sua jujuba daquela forma.

Dito isso, assim como em qualquer partida do jogo, Fall Guys não é sem seus próprios tropeços. Apesar do time da Mediatonic ter trabalhado em melhorias desde o lançamento do jogo, alguns bugs ainda marcam presença no game e se manifestam durante partidas – em mais de uma vez, um glitch fez com que minha jujuba atravessasse os limites do cenário e ficasse cainda para sempre, suspensa no vazio, sem retornar para o circuito.

Alguns ajustes finos também ainda são necessários na rotação e seleção de mapas, que variam muito em termos de desafio (e até graça) e, às vezes, tendem a aparecer em momentos não muito ideiais da partida. Combinação Perfeita parece ser o melhor exemplo disso: além de ser um dos mapas mais chatos, sua tendência de surgir entre os primeiros rounds faz com que ele seja muito fácil de se classificar em rounds em que ele aparece – basta ficar no quadrado em que há mais pessoas e você provavelmente estará no lugar certo.

Divulgação/Mediatonic

O time da produtora, no entanto, soube aproveitar bem o teste de fogo pelo qual Fall Guys passou ao longo de todo mês de agosto, e tem trabalho para fazer do jogo uma versão muito melhor daquela que foi originalmente lançada no começo do mês. A indisponibilidade de servidores, por exemplo, um problema antes comum e que gerou revolta entre fãs por conta do lançamento extraordinário do jogo, já está completamente resolvido.

Resta saber agora para onde a Mediatonic levará Fall Guys e seu surto de popularidade. Seguindo o caminho certeiro que a Epic Games trilhou com Fortnite, o estúdio tem tentado alavancar Fall Guys para promovê-lo como um nova alternativa para conteúdos e parcerias. Parcerias com a Valve na versão de Steam do jogo, com trajes inspirado em personagens de jogos como Half-Life, Portal, e Team Fortress 2, além de skins de títulos como Hotline Miami, são os primeiros exemplos disso.

Ainda não é certo, no entanto, se a produtora independente consiguirá transforma o battle royale inusitado em uma possível nova plataforma de mídia ao moldes do título da Epic. Não há dúvidas que esse é o desejo da empresa – o lançamento de uma versão mobile do jogo na China, maior mercado gamer do mundo, é prova disso.

A boa notícia para a produtora é que Fall Guys tem algumas boas vantagens frente aos concorrentes para se estabelecer como o novo hit battle royale da indústria  além de ser extremamente simples e acessível, as partidas curtas e hilariantes do jogo são casuais o suficiente para atrair um público bastante amplo. Isso já estabelece as bases para o game tornar um concorrente de peso no cenário disputado de multiplayer online.

Mas com o fim do período de gratuitade do jogo na PlayStation Plus e o desgaste do "fator novidade", Fall Guys: Ultimate Knockout agora precisará de manter o trem do hype em movimento ao mesmo tempo em que lida com desafios, incluindo a administração da rotação de mapas e o lançamento de novos conteúdos cosméticos e de gameplay que mantenham o jogo fresco para incentivar o retorno dos jogadores. Os primeiro sinais são positivos, mas assim como dentro de qualquer partida de Fall Guys, o importante é não tropeçar – ou, se tropeçar, levantar, não se desesperar, e seguir a maratona rumo à coroa.

Nota do crítico