Randy Pitchford, CEO da Gearbox, foi vítima de um roubo cometido por seu assistente pessoal, John Wright Martin. Pitchford e sua esposa, Kristy, estimam que o valor perdido chegue perto dos US$ 3 milhões.

O casal percebeu que havia algo de errado ao pagar a conta de um restaurante do qual Kristy é dona. O seu saldo bancário era insuficiente, e ambos passaram a suspeitar de Martin.

De acordo com o Polygon, Martin tinha um salário de US$ 45 mil, e gastou o dinheiro roubado em doações de caridade que ultrapassam as centenas de milhares de dólares, além de extravagâncias como pagar cervejas para todos os presentes em um bar enorme.

O suspeito chegou a realizar um acordo legal com os Pitchford, prometendo devolver o dinheiro, mas o primeiro cheque, com valor de US$ 500 mil, foi negado. Outros casos similares, que envolviam Martin como pivô, também começaram a surgir.

Martin foi julgado em corte civil, e condenado a pagar mais de US$ 2 milhões para o casal. Entretanto, seu próprio advogado não sabia de seu paradeiro.

Ainda sem receber seu dinheiro, Randy Pitchford declarou que seu ex-assistente não os destruiu, mas se preocupa com a impunidade: "Quem ele poderá destruir na próxima vez?"