Matthew Karch, CEO da Saber Interactive, contou em entrevista à GamesBeat algumas das dificuldades de levar The Witcher 3: Wild Hunt ao Nintendo Switch. O imenso universo do game se provou um desafio e tanto para os desenvolvedores, que tiveram de reformular vários elementos para conseguir uma boa performance no console.

"Quando o primeiro port foi feito, o jogo estava rodando a dez quadros por segundo, tomando 50% mais memória do que o Switch tem, e a build tinha 20GB a mais do que o maior cartucho para Switch", afirmou Karch.

A iluminação também era um detalhe bastante complicado de se lidar: toda a maneira de gerar sombreamentos foi retrabalhada, e o próprio Sol foi feito do zero para atender às limitações do console da Nintendo.

Alternativas simples, como retirar alguns personagens dos cenários, também não funcionavam, pois as cidades pareciam muito vazias. Por isso, coisas como a renderização de grama também foi totalmente refeita.

Com muito esforço dos desenvolvedores, The Witcher 3: Wild Hunt já está disponível para Nintendo Switch.