Em Keystone Kapers, clássico do Atari 2600, você é Keystone Kelly, um policial que protege um Shopping Center de um ladrão esteriotipado.

O cartucho da Activision foi criado pelo programador Gary Kitchen (de Donkey Dong) e foi baseado nos policiais caricatos do cinema mudo, os Keystone Cops.

Segundo Kitchen, o jogo foi um dos mais complexos que ele desenvolveu na época, pois o processador do Atari não suportavam a quantidade de elementos ao mesmo tempo nas fases mais avançadas. O problema foi resolvido com a criação de uma nova técnica de compactação que quase consumiu todo o tempo de desenvolvimento do cartucho.

Obstáculos superados pelo programador, desafios criados para os jogadores. No controle do policial Kelly você deve saltar bolas de futebol americano, carrinhos de compras, fogões e esquivar-se de biplanos assassinos enquanto sobe os andares do shopping (que muita gente chamava de supermercado, talvez pela escassez de shoppings por aqui na década de 80) atrás do ladrão, que deixa sacos de dinheiro e maletas pelo caminho.

Com o auxílio de um mapa na parte infeiror da tela, defina a melhor estratégia para alcançar o meliante antes que ele escape pelo telhado. Mas cuidado, você terá apenas 1 minuto para alcançá-lo e cada esbarrão com as bolas, fogões e carrinhos significa 9 segundos perdidos! O policial perde uma vida a cada vez que o biplano o atinge, quando acaba o tempo e quando o ladrão foge, porém ganha uma a cada 10.000 pontos obtidos.

O resultado é um jogo dinâmico, horizontal (como Pitfall), que até hoje é um dos mais lembrados do console. São antológicas as escadas rolantes e o elevador, detalhes que davam um charme especial à fita.

Como sempre fazia na época, a Activision promoveu um concurso de lançamento do jogo. Bastava enviar uma foto da sua televisão pelo correio com a pontuação máxima do cartucho (32.000 pontos) para ganhar um distintivo oficial do policial.

E aí&qt& Está esperando o que para ligar seu Atari&qt& :-)