Uma das grandes surpresas da conferência da Microsoft foi a revelação de Sekiro: Shadows Die Twice, jogo produzido pela FromSoftware e publicado pela Activision que chega em 2019 ao PlayStation 4, Xbox One e PC.

Tivemos a oportunidade de conferir o game e a empolgação não poderia estar maior.

Sekiro apresenta uma aventura muito mais ágil do que os títulos mais recentes do estúdio. O protagonista pode pular e usar um gancho ao estilo Batman para se prender em pontos do cenário e escalar construções.

Divulgação/FromSoftware

Isso leva a oportunidades de ataques sorrateiros, atacando do alto de uma árvore, por exemplo.

Porém, nos combates, Sekiro mostra a assinatura da FromSoftware. Os combate são tensos e estratégicos, focados em utilizar a defesa nos momentos corretos. Bloquear ataques no exato instante do impacto deixa inimigos vulneráveis, enquanto existem também ocasiões em é que possível usar um contra-ataque.

Os golpes são muito mais ágeis do que em Dark Souls ou mesmo Bloodborne, mas o estilo é similar na medida em que cada golpe deve ser calculado. Um ataque em vão deixa o herói vulnerável.

Não que isso chegue a ser um problema em todas as ocasiões: como visto no trailer de revelação do game, após morrer é possível ressuscitar e pegar os inimigos de surpresa. No entanto, as condições para reviver não foram reveladas (detalhes ainda estão sendo acertados, comentaram os produtores da Activision e FromSoftware).

Divulgação/FromSoftware

Em tempo, o braço prostético do herói não serve apenas como gancho, mas também pode se transformar em armas diferentes. Por exemplo, o braço pode arremessar shurikens para acertar inimigos à distância, virar um machado para golpes lentos e fortes que quebram defesas ou até mesmo lançar fogo para queimar inimigos.

Estes golpes especiais podem ser combinados com ataques convencionais com a katana para criar efeitos únicos, como colocar fogo na lâmina.

Apesar de ser uma jornada linear - o herói busca salvar o próprio mestre de um samurai que o raptou - há muitos caminhos diferentes para explorar pelo cenário, o que pode levar a itens ou chefões secretos.

Divulgação/FromSoftware

Mas nem todos os chefes devem ser encarados logo de cara. Na demonstração encontramos uma cobra gigante e a única opção era fugir, uma situação de 'gato e rato', como comentaram os produtores acompanhando o teste, que deve se repetir mais ao longo do game.

O trecho final da demo trouxe um combate muito bonito contra um chefão em uma ponte de madeira rodeada de árvores com muitas flores de cerejeiras. Uma espécie de monge corrompido atacava com uma lança, os tecidos da roupa rodopiando pelos ares a cada movimento.

Depois de alguns golpes, o boss mudou os padrões de ataque e fez aparecer uma densa neblina, usando-a para se esconder e atacar de surpresa.